SENTIDOS #1

Quando a gente fala no que a Alma Ópera Rock representou ao longo dos anos, não há uma restrição apenas à palavra do diretor. Nestes anos de trabalho, diversas pessoas passaram por nós – e até voltaram. Isso não é apenas arte, mas envolvimento, crescimento, tudo relacionado a uma proposta consistente.

Foi o que aconteceu, por exemplo, com Teté Furtado. A bailarina e coreógrafa trabalhou intensamente pelo grupo em 2012, à época da produção de Reino das Névoas, peça baseada no texto homônimo da escitora paulista Camila Fernandes. De fato, esse processo rendeu inúmeros frutos: ideias para a organização anual do grupo e a relação aprofundada entre cenas e coreografias são alguns exemplos técnicos.

Teté Furtado (à esquerda) em momento pré-apresentação de “Reino das Névoas”, no Teatro Renascença.

Ao enviar seus relatos para o livro Alma Ópera Rock: os primeiros cinco anos, ela escreve o seguinte: “Para mim, a Alma Ópera Rock representou uma mudança de opinião a meu próprio respeito: ‘viu como tu gostas de trabalhar com adolescentes, Teté?’ E não é que eu gostei mesmo? Óbvio que, como em qualquer grupo, houve momentos de estresse, discordâncias e tensão. Mas a amizade, a vontade de aprender, o comprometimento e a paixão pela arte sempre prevaleceram.”

Mais sobre as falas de Teté e sobre o livro, você pode conseguir pelo site da Amazon, clicando aqui.

Amigo secreto, ao final de 2012: última participação da coreógrafa antes de seu retorno, em 2021.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.